Motta
Matrizes (Cypher)
[Intro: Motta]
Cypher, Batalha da Matriz, Nuclear MCs

[Verso 1: Motta]
Meus planos são um distúrbio pro seu intelecto
Prospecto, sou um espectro
De corpo e alma no rap, pô
Cê não captou, te rapto, sou raptil, não raptor
Vim lek to intacto, um lapso, num clap soul
Nesse capítulo, cê num capturou maníaco, flexão
De flow Yoga congela nesse zodíaco
Hipocondríaco não é Breaking Bad, Dante
Te levo pro inferno viciado em pó de diamante
Rima divina seu comédia, Devil May Cry nesse instante
No tom certo faço até que Immanuel Kant
Não sou Stephen Hawking sei de conhecimentos só uma dose Visionário, um falcão rei, buscando quem tem esclerose
Sete dias rimando no capital pois pecado é o din
Mato MCs de merda
Isso que é R.I.P Hopsin, sim descanse em paz
Dou pause nesse click, leque de rimas eu tenho
Mato MCs que nem têm 27
Prolifero ideias mais do que bactérias
O negativo, o beat corre nas minhas artérias
Prospero versos, até no vácuo ecoam minhas ideias
Nem nova, nem velha escola, porque meu rap é antimatéria, pô!
[Verso 2: Binho]
Eu tenho pena desses rap que não contribuem para a cultura
Meu sonho é alto, eu vou subir, não tenho medo de altura
Sem usar alguém de degrau, eu vim pra calar os haters
Eles [?] chega no topo e dar pane na escala Richter
Aqui todo seu ego, sua vaidade se encerra
Por mais letras que influenciem os moleques na favela
Ironia usar o rap como palco de guerra
Eu tenho ira mas é hora de mudar essa era, cusão
Falando igual a Tonya fingindo ser o Dru
Sou odiado igual o Chris, a revolta de Sun-Tsu
No mic é um zulu, no ringue é kung-fu
É pneu veículo, sou driver, também sou true
Sua arrogância é piada, vai ser youtuber
Que eu te levo até mensagem olha que eu nem sou Uber
Nesse diz que me diz, então disque e peça uma diss
Até Alicia Keys, eu troquei balas escutando chão de giz
Me encontro no verso, você versa, a gente conversa
Não há controvérsia, é muito pra você? Então não atravessa
Sem olhar pros dois lado os cachorro latiu
Cê quer versar, viu? Seja versátil
Então vou lá tio, viver a vida fazer o que amo
Ser livra pra me sentir bem mais volátil
Meus sons são como minhas filhas e rimas
Meus irmãos fazem minhas filhas serem obras primas
Legítima, tão íntima, família grande aumentando
Isso é matriz cola pra cá, cê vai entender o que eu to falando
Eu sou daqui, Guarulhos onde nasci, cresci
Ayvu Ayvá, minha alma em pé, dialeto Tupi
[Verso 3: Bold]
No mic cuspindo rima, youtuber cospe no gato
Eu vim cuspir na mídia, porque ela cospe no fato
Nuclear tem, Little Boy que explode igual Big Bang
Eles chamam de brainstorm eu chamo de Black Rain
Cai chuva, dos meus punhos sai chamas
Eles mandam só combo, mato com um soco só, Saitama
Só tamo império montando [?] igual Tony Montana
Mitando e matando tipo Rambo botando a bandana
E você nessa sinopse viu, que eu tive que ir no box fiu
Faço brincar com morte ouviu, estilo Johnny Knoxville
Brasil traz Renan, Cunha traz mais o Temer
Eu vou bater o martelo é Three Guys, One Hammer
Disseram hey Bold, você vai aonde?
Entrar na nova escola com o Dylan Klebold
Vestir meu sobretudo e sobretudo com frieza
Desci com pé na porta eles estão embaixo da mesa
Matei um por um sei nem pensar o que vem depois
Justiça é cega e o amor também eu não enxergo nenhum dos dois
Paz!

[Verso 4: TGO]
(Dá um play que é TGO, Batalha da Matriz, aê)
Se cê tava com tédio agora pode falar que tinha
Tirei o peso das costas depositei ele nas linhas
Isso pra mostrar que GRU não é só Mamonas A**a**inas
Não acredite em destino
Sou aquele que a**a sinas
Hip Hop até nos glóbulos sanguíneos
Tópicos utópicos sobre nossos domínios
Rimos pros favelados ou pra aqueles nos condomínios
Pois divisão de cla**e pra fascista é fascínio
Exploda-se Temer
Que meu som lucre igual ca**ino
Sem plágio nem cover
Não sou o MC Latino
Animal com raciocínio que nem sempre raciocina
Tipo veneno
Só que do veneno nasce a vacina
Vá sina
Termo de compromisso com o mestre Mauro
Saiu o CD novo vários vai ouvir
Ironia socrática
Hoje eu não te salvo por causa da falsidade que uns não para de parir
Pare! Sinal vermelho no farol do superego
Seu ID é de idiota
Destruo o reino de Lego
Prepare-as e mano, prata, agora jante
Será que Hitler vivo escutaria Ariana Grande?
[Verso 5: Smile]
Esqueça o compromisso
Venda o rap compre míssil
Bombardeie os genius que não tem QI pra isso
Use de artifício que o jogo subiu de fase
A receita para se fazer o herói é se tornar o próprio nazi
Batidas serão armas biológicas
Entrando no sistema imunológico
E a letra imune à lógica
Hit de verão, quer melhor álibi
Ao cenário político atual que pede primavera árabe
E claro que isso não é problema seu
Duvida até bancada evangelista é composta por ateu
Sinagoga demagoga é o templo dos fariseus
Mas se prédios edifica**em
Arranha-céus tocariam deus
Aqui o dinheiro faz servos
Sell your soul to the devil
A**a**ine um 288 com mais doze alteregos
"Mando som bravo, ele nem, enquanto ele trava eu rimei"
Se ego trip junta**e milha
"Cê" era travelling man, mas não é...
Pra ter um espaço na cena só lança músicas
Mas pra lançar a cena no espaço só George Lucas
Crew R&R e o bold nas naves modificadas
Pierrot é QR Code só "Barras codificadas"
"Salve os MC branco que respeita a raiz"
De batalha boa sangue sempre tem na matriz
O Z me perguntou se eu sei escrever uma diss
E eu respondi a**oviando o tema do Arquivo X

[Verso 6: Z-Rock]
Z, Z!
Droga fora de drogarias
Um conselho que eu daria
Reze para livrar o mal do bem
Cigarro faz mal pra saúde
Porém ele tira o stress (yes)
Foda que stress faz mal também
Vou viajar para um pico neblinante
Viver em um lugar com no máximo tipo zero de habitantes
Depois volto com o serviço
Do início a***iso
Os detalhes e explico que eu odeio tudo nisso
Explicar porque mesmo sabendo comemos lixo
Entender por que muita luta sem compromisso
Aí eu já tô feito, estorei no norte
Meus versos experientes vão negar que eu tive sorte
Eles só pedem pras pessoas mais amor e união
Uns preferem que eu só cante merda nessa gravação
A falta de compreensão, a luta não é igual
Enquanto uns lutam pra sorrir outros lutam por um real
Esses dias na revista
Um mano escuro na revista
E do lado tava uma pá de policial
E essas fita já revista de Sampa à Boa Vista
E o noticiário nem tenta ser original
E o rumo
Delegacia delegam até a cia
Pra forjar enchem de maconha uma bacia
Cê tem grana uns negocia
Dignidade vazia
E é por isso que eu rimo até na noite mais sombria
Briga de MC cheio de diss eu tô cagando
Não sou de separar, mas não fico no meio isqueirando
Certos momentos da vida esquecemos que estamos juntos
Rola aqueles papo inútil que é melhor mudar a**unto

[Verso 7: Pierrot]
É o Marcão no beat
Eu marco o beat
O rap é peso fat
Minha alma tá no feat
Geral já tá ligado
Eu fabrico sódio com ódio
Eu sei que no first place do podium só pode um
Pensando no dia de hoje
Vivendo o de amanhã
Amigável num nível
Napalm no Vietnam
Quando tudo dá certo até quem nunca se viu
Quer saber do estado civil
Afinidade com mic
Nível gravata do Sílvio
É união
Não era pra ser pra padrão
Mas falar que rap é isso
É igual falar que é amigo do patrão
Boombap, piscina eu nado Kendrick
Barbaridade de rap
Então na plateia sem vikings
Eu sou a labareda
Não ofereça gás nem bic
MC emocionado na maratona sem pique
Eu prefiro café Pelé sem discussão pro Maradona
Mas e for a base de tiro chama ele pra maratona
Pois isso não tá no fato, em tato eu tô no pacto
Que os deixou maleável
Eles tão na mídia mas a mesma é regravável
Truta, eu foco em clássicos
Depois em hits
Cê rima em 16 barras eu em 32 bits