DJ MK
Fome
[Letra de "Fome"]

[Intro: Murica]
Yeah
A vontade de querer ganhar seu espaço junto com seu bando
A vontade de rodar o mundo fazendo som é o que eu chamo de fome
Fome, Murica, 2000 e sempre

[Verso 1]
Nem divino, nem diabólico, psicodélico
Nem celeste, nem satânico, um pouco cínico
Meu bando vem do íntimo, do subterrâneo
Pesadelo dos tiranos, chama o síndico
Mais um vira-lata latino-americano
Boombap como religião
Urbana legião, uns vinte como eu
Poetas destinados a seguir na contramão
Doce e ambição
Novos fumos, rumos, ideias, skate na veia, morar com ela
Comer vivência e cagar na regra
E se não for pedir demais, inspiração pra escrever mais essa, peço

[Refrão]
E apesar dos tropeços, me sinto vivo-o-o-o
Então, rezo e agradeço, me sinto vivo-o-o-o-o
Vivo-o-o-o-o-o

[Verso 2]
Moleque, rap é afinidade com os traços
Não é só comprar a tinta, é intimidade com os quadros
E estar conectado com a raiz
É a vantagem de se andar descalço, então, queimem os sapatos
Vida simples inspira, a complexa mata
Se deixar invadir, a Babilônia te cata
Mas aqui não pa**a, eu tenho a besta de besouro
E no bolso, a navalha
Morreria pra escrever, matei minha razão
Eu comeria rua, pa**aria fome, escreveria pão
Sanidade? Loucura? Quem vai dizer?
Quem tem razão? Hein? Ahn?

[Refrão]
E apesar dos tropeços, me sinto vivo-o-o-o
Então, rezo e agradeço, me sinto vivo
E apesar dos tropeços, me sinto vivo
Então, rezo e agradeço, me sinto